Concerto de Violão e Piano 09 de Dezembro de 2017

Concerto em homenagem aos 30 anos do falecimento de Andrés Segovia.
Será realizado pelos músicos Alberto Damián Montiel, Cristo Miguel de La Cruz e Marcos Pablo Dalmacio.

Leia uma pouco da biografia de Andrés Segovia

Nasceu no dia 21 de Fevereiro de 1893 em Linares (Espanha). Foi um violonista erudito espanhol, e é considerado o pai do violão erudito moderno pela maioria dos estudantes de música. Segovia dizia que ele “resgatou o violão das mãos dos ciganos flamencos”, e construiu um repertório clássico para dar lugar ao instrumento em salas de concerto. A primeira apresentação de Segovia foi na Espanha, quando tinha 16 anos. Poucos anos depois, ele fez seu primeiro concerto profissional em Madrid, tocando transcrições de Francisco Tárrega e algumas obras de Bach, que ele próprio transcreveu e arranjou. Embora não fosse aprovado pela sua família, ele continuou a perseguir seus estudos de violão. Sua técnica se diferencia das técnicas de Tárrega e seus sucessores, como Emilio Pujol. Como Miguel Llobet (que pode ter sido seu professor por um curto período), Segovia atacava as cordas com uma combinação da unha com a carne da ponta dos dedos, produzindo um som mais preciso do que os seus contemporâneos. Com sua técnica, foi possível criar uma paleta maior de timbres em comparação com o uso da carne ou das unhas sozinhas. Depois da viagem de Segovia pelos Estados Unidos em 1928, Heitor Villa-Lobos compôs os 12 Estudos e dedicou ao maestro. Segovia também transcreveu muitas peças eruditas e reviveu obras transcritas por homens como Tárrega. Muitos violonistas nas Américas, entretanto, já tinham tocado as mesmas obras antes de Segovia chegar. Em reconhecimento à sua enorme contribuição cultural, ele foi elevado para a nobreza espanhola em 1981, com o título de Marquês de Salobreña. Andrés Segovia continuou fazendo apresentações já idoso e viveu uma semi-aposentadoria durante os anos 70 e 80 na Costa del Sol. Dois filmes foram feitos sobre sua vida e obra, um quando tinha 75 anos e outro 9 anos depois. Eles estão disponíveis em um DVD chamado Andrés Segovia – in Portrait. Morreu em Madrid, vítima de ataque cardíaco, na idade de 94 anos, tendo completado sua ambição de elevar o violão de um instrumento de dança cigana para um instrumento de concerto.

 

Conheça um poucos dos concertistas 

Alberto Damián Montiel 

Natural da cidade de Tandil, Argentina, nasceu em 1980. Começou seus estudos musicais aos 8 anos de idade na cidade de Barker. Dois anos depois, ingressa no Conservatório Estadual da cidade de Tandil, onde teve aulas com a professora Patrícia Izaguirre durante 8 anos. Neste período, realiza paralelamente o segundo grau no Centro Polivalente de Artes da mesma cidade, formando-se aos 18 anos de idade como Bacharel em Música com Especialidade em Piano. No mesmo ano, aconselhado por professores e diretores da instituição, seguiu seus estudos em Buenos Aires, no Conservatório Superior Nacional “Carlos Lopez Buchardo”, sendo admitido pelo mestre de piano Juan Carlos Arabian. Em 2000 forma-se como Professor Nacional de Piano. No Brasil, tem uma intensa participação como regente de grupos de canto, co-repetidor de corais, pianista, professor e diretor da Escola de Música Harmonia, situada em Camboriú. Ao longo de sua carreira, têm realizado diversas apresentações, algumas incluindo obras de sua autoria.

Cristo Miguel de La Cruz 

É bacharel em violão erudito pela EMBAP (Escola de Música e Belas Artes do Paraná – Brasil) sob a supervisão do Prof. Dr. Orlando César Fraga. Participou de “masterclass” com professores como: Henrique Pinto, Turíbio Santos, Daniel Wolff, Marcos Pablo Dalmacio (Argentina), Nora Buschmann (Alemanha), Mario Ulloa (Costa Rica) entre outros. Mantém uma carreira ativa como professor e concertista no Brasil e México. Desde 2013 é representante oficial do luthier mexicano Agustin Enriquez Herrera no Brasil.

Marcos Pablo Dalmacio 

Desde cedo mostrou interesse por diversos aspectos da prática musical o que o levou a dedicar-se com igual energia ao violão, violino, viola, composição, pesquisa musicológica, regência e à interpretação de música antiga com instrumentos de época (vihuela, guitarra renascentista, alaúde, guitarra barroca e guitarra clássico-romântica). Como violonista tem se apresentado em numerosas cidades de vários estados do Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, Portugal e Peru, participando como concertista e ministrando masterclass e palestras a convite de diversas universidades e outras instituições. Tem atuado também junto a orquestras e quartetos de cordas do Brasil e da Argentina, em música de câmara e concertos para violão e orquestra. Atualmente é diretor artístico e violinista da Orquestra de Cordas da Ilha, apresentando programas dedicados principalmente ao resgate de compositores pouco conhecidos da história da música. No âmbito da música de câmara conforma o Duo Cor dos Ventos com o flautista Cristian Faig; ademais do repertório tradicional para a combinação utilizam instrumentos históricos para a interpretação de música antiga. Também ativo como compositor, conta com várias obras estreadas na Argentina e no Brasil além de dois concertos integralmente dedicados a suas obras de música de câmara. No ano de 2014 se interpretaram várias obras de sua autoria, desde solos instrumentais até obras para orquestra de câmara, algumas delas sendo estreias, como foi o caso de uma de suas mais recentes composições: o Kyrie em Sol bemol para coro, flauta e orquestra de cordas. Em 2016 foi estreada nos Estados Unidos, sua mais recente composição para violão: Visiones Crepusculares Opus 18. Marcos Pablo Dalmacio é natural da Argentina e está radicado no Brasil desde 2005.Em 2013 obteve seu diploma de Mestre em Música pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) na área de musicologia com a dissertação “A sonata para guitarra na Viena de Beethoven e Schubert”. Possui os títulos de Professor de Violão pelo Conservatório Isaías Orbe de Tandil e de Professor Superior de Violão pelo Conservatório Luis Gianneo de Mar del Plata, ambos da província de Buenos Aires, Argentina. Foi contemplado com diversas bolsas de estudos: Santa María de la Armonía (Mar del Plata) para realizar os cursos de verão em violão, violino e fenomenologia da música; Fundación Antorchas (Buenos Aires) para aperfeiçoamento em música antiga; a bolsa CAPES (Brasil) durante a pós-graduação, e a bolsa da Universidad de Santiago de Compostela (Espanha, 2013) para participar de seus cursos internacionais de música.

 

Inscreva-se aqui para receber as novidades!

Comentários no Facebook